PONTOS PERDIDOS

Não gosto de ser critico sobre determinados jogadores porque muitos acham radicalismo de primeira, mas a primeira impressão é sempre a que fica e Thiago Heleno já entrou para o rol da fama de caneleiros do CORINTHIANS logo na sua primeira partida.

Não que a culpa seja dele, mas aproveitando para falar das insignificâncias da partida, o cito desde já como reserva do reserva do reserva e nada mais que isso. Agora perder pontos dessa forma em casa não dá e terminar jogando a partida como time de várzea chega a ser doloroso para quem assiste à partida.

O time mais uma vez se mostrou ridículo na armação das jogadas, afobamento nas definições finais e pelo amor de Deus: cadê o Dentinho?Que contusão é essa que nunca sara?Já não agüento mais ver o Iarley no ataque, não que ele não sirva mais se for para escolher entre ele e o Jorge Henrique já reserve um lugarzinho ai no banco para o cidadão.

De fato perdemos a chance de continuar na cola do líder momentaneamente, mas o titulo só depende do CORINTHIANS e como não acredito no cavalo paraguaio carioca as vibrações positivas para o titulo continuam, desde que o Senhor Adilson arrume o time e para de jogar como várzea quando se vê em situações de desespero.

VAI CORINTHIANS!!

Anúncios

ESTATUTO LONGE DE SER REAL

Como já se era esperado e previsto, até hoje passado já alguns dias do jogo na Vila contra o SNPSM nada aconteceu ao clube e nem a torcidinha medíocre deles, ou seja, só cabe a nós dizer que esse ESTATUTO DO TORCEDOR (sic) é verdadeiramente uma PIADA.

Será que as “autoridades” de plantão só vão começar a fiscalizar nas vésperas da realização da Copa para mostrar serviço à dona FIFA?Será ridículo e lamentável.

Estatuto do Torcedor está longe de ser cumprido

GAVIÕES DA FIEL TORCIDA

CLUBE SÓ AGE PARA EVITAR PUNIÇÃO:

Quando é ameaçado de perder mando de campo ou de ser multado por infringir o Estatuto do Torcedor, o clube age de forma rápida e eficiente. Na Vila Belmiro, quarta-feira à noite, o torcedor Carlos Alexandre Rocha foi identificado e detido pela polícia rapidamente, acusado de atirar um explosivo no gramado, aos 24 minutos do segundo tempo do empate em 2 a 2 entre Santos e Corinthians.Para garantir a defesa do Santos, o supervisor de segurança, Paulo Reis, acompanhou toda a ação dos policiais na arquibancada e na sala reservada para a PM na Vila.

– Não temos o que temer. Pelo novo código brasileiro a identificação faz com que fiquemos livres da infração disciplinar. De qualquer forma, enviaremos cópia do Boletim de Ocorrência ao STJD – diz o advogado do clube, João Vicente Gazolla.Na súmula, o árbitro Carlos Eugênio Simon relatou que o torcedor foi identificado. O explosivo caiu perto do atacante Iarley e do meia Danilo, ambos do Corinthians.Também foram apreendidos fora do estádio pedaços de pau, rojões e pedras, parte deles usado contra o ônibus da torcida do Corinthians.Com relação à ação de cambistas, o Santos alega que orienta os torcedores a comprarem ingressos nos postos oficiais e, de preferência, com antecedência. E que cumpre os itens do Estatuto do Torcedor.

TORCEDOR, SAIBA COMO DENUNCIAR IRREGULARIDADES:

O Estatuto do Torcedor é desrespeitado em todo o Brasil, mas, na prática, poucas punições são aplicadas. Em parte, pela baixa participação do público nas denúncias de irregularidades. Confira onde e como o torcedor pode fazer sua queixa:

Ouvidoria

O torcedor tem o direito de dar sugestões e fazer reclamações do que se passa nos estádios. Em cada partida, orientadores deverão receber as queixas e, sempre que possível, solucioná-las imediatamente. As demais devem ser enviadas ao ouvidor da competição, que também pode ser acionado diretamente por meio do site da entidade organizadora do torneio.

Promotoria do consumidor

Todas as reclamações também podem ser feitas com os promotores estaduais, já que o Estatuto equipara o torcedor a um consumidor comum.

Promotoria criminal

Se a queixa for criminal – referente, por exemplo, a brigas, agressões e assaltos –, o torcedor deverá se encaminhar ao Juizado Especial Criminal (Jecrim), localizado dentro do próprio estádio.

POR ESSAS E OUTRAS QUE O ESTATUTO DO TORCEDOR É INCONSTITUCIONAL E CONTINUA NÃO SENDO APLICADO NOS ESTÁDIOS!

AS ARQUIBANCADAS PEDEM LIBERDADE!

GAVIÕES DA FIEL TORCIDA

A NOSSA CORRENTE JAMAIS SERÁ QUEBRADA. E.B.

Resumindo tudo isso: enquanto os governantes forem omissos tudo isso ira acontecer livremente, porque eles não fazem leis para punir os que merecem e sim mostrar poder de policia e “dizimar” as organizadas e bani-las dos estádios. LAMENTAVEL.

Se eles próprios não se dão o respeito durante o período eleitoral vão querer mostrar poder quando?Quem é que vai acreditar nessa palhaçada toda??

VAI CORINTHIANS!!!

MOBILIZAÇÃO DAS ARQUIBANCADAS

No dia 21/09 as organizadas do Brasil se reuniram em Brasilia para discutir e protestar contra alguns pontos do novo Estatuto do Torcedor que vergonhosamente quer impor uma ditadura nas arquibancadas.

Mas lamentavel ainda foi a não divulgação por parte da midia vendida corrupta sobre esse feito,ignorando tal acontecimento que como sempre não passou despercebido pelos GAVIÕES e no portal das Organizadas do Brasil.

Precisamos deixar bem claro que nenhuma torcida é contra o estatuto e sim contra alguns pontos impostos neles,que não coincidem primeiramente com a nossa cultura futebolistica e as “autoridades” precisam entender que,não é so porque um evento grande como a Copa do Mundo ser realizada no Brasil,que vamos impor uma cultura européia para todos os torcedores,porque isso não vai ser aceito de maneira nenhuma.

Torcidas Organizadas entram com petição no STF

Diretores e representantes das torcidas organizadas do Brasil se reuniram em Brasília durante o dia de ontem (21/09), para juntos, entregarem uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) no Supremo Tribunal Federal referente alguns pontos do Novo Estatuto do Torcedor.

O documento, redigido pelos advogados das torcidas e entregue ao STF através do Vice-Presidente Nacional do PTdoB, Tony Rodriguez, prevê a inconstitucionalidade em diversos artigos do Novo Estatuto, como a punição as Torcidas Organizadas mediante as atitudes dos associados, o alto valor dos produtos a venda nos estádios e principalmente, a falta de preparo da segurança que é oferecida aos torcedores nos estádios de futebol. As Torcidas Organizadas entram na ação como terceiros interessados.

O documento, com mais de 100 páginas, foi protocolado no Supremo Tribunal Federal. Agora, ele será analisado e futuramente novas ações serão realizadas.

Aproveitando a entrega da ADIN, as torcidas realizaram uma caminhada até o Supremo Tribunal Federal. Juntas, estenderam suas bandeiras e também algumas faixas de “protesto” em frente ao STF.

Após a antrega do documento, as Torcidas se reuniram no auditório da CUT, também em Brasília, onde fundaram a Federação Nacional das Torcidas Organizadas do Brasil. O objetivo é que a FENATOB seja a federação que busque melhorias em pról das Torcidas Organizadas do Brasil e seus associados.

No dia 16/10, novamente em Brasília, será realizada outra reunião, agora com os representantes legais de cada torcida que queiram fazer parte da FENATOB, onde serão definidos: o estatuto da federação, a diretoria que irá compor o corpo diretivo da federação, a sede onde será a federação, entre outros pontos.

Todos os representantes legais das Torcidas Organizadas serão convidados a participar dessa reunião.

São essas e outras atitudes que poderão mudar a realidade dos estádios brasileiros. As ações só podem dar certo com a concordância daqueles que são os consumidores finais, os próprios torcedores. Leis e regras impostas sem o conhecimento desses que pagam seus impostos, seus ingressos e são contribuintes, de nada valerão pois não procuraram saber das necessidades dos torcedores, organizados ou não. A FENATOB foi fundada por pessoas que dão a vida pelos seus clubes, que vivem nas arquibancadas, que viajam o Brasil para acompanhar seu clube. São os verdadeiros torcedores que vão buscar as melhorias necessárias em prol do torcedor brasileiro. Participe!”

AS FESTAS DAS ARQUIBANCADAS TEM QUE SER REALIZADAS DE MANEIRA LIVRE COMO SEMPRE FOI!

Infelizmente principalmente na capital paulista,estamos tendo grandes problemas para o desempenho das festa,por imposição de alguns falsos mandatarios que se acham donos do futebol.O mais engraçado de tudo é que os vandalos são os torcedores,mas policial com cachorro dentro do campo atacando jogador pode,policia agredindo jogador pode,isso não tem problema.

Chega a ser ironico,mas se depender de todos a voz das arquibancadas não se calará nunca.

AS ARQUIBANCADAS PEDEM LIBERDADE

TORCEDOR ORGANIZADO NÃO É VAGABUNDO

DEVE-SE PUNIR O INDIVIDUO, E NÃO A ENTIDADE

ESTATUTO DO TORCEDOR INCONSTITUCIONAL

VAI CORINTHIANS!!!

CORINTHIANS: LIDER ABSOLUTO!

Após o treino de hoje a noite que o CORINTHIANS realizou, a equipe manteve-se líder absoluto do campeonato e deve seguir assim daqui por diante. A manutenção da somatória de pontos fora de casa é de extrema importância nessa etapa.

A vitória diante do “S4N7OS? Pr4N7OS????SNPSM:nada pode ser menor” ou seria Neymala F.C?Não sei o nome que esse lixo da baixada pode levar nesse momento, mas o que sabemos claramente é que a liderança permanece com o TODO PODEROSO.

Conscientemente que vários pontos precisam ser melhorados, como por exemplo, o Bruno Cesar precisa melhorar seu desempenho fora de casa, ajudando tanto na marcação quanto na armação da equipe e quando substituído não pode sair dando “piti” em campo, já que não realizou uma boa partida.

Fato triste a torcidinha que não enche uma Kombi que teve a cara de pau de jogar um morteiro em direção ao jogador do CORINTHIANS e agora quero ver ser cumprido dentro das leis o tal estatuto do torcedor.

Domingo tem mais!!

E só para lembrar a GAVIÕES DA FIEL está no trailer dO FIFA soccer 2001…..morre de inveja:

S4N7OS? Pr4N7OS????SNPSM:nada pode ser menor!!

CHUPA NEYMALA!

CHUPA S4N7OS!!!!

VAI CORINTHIANS!!

A PALAVRA DO PRESIDENTE

Nota publicada pelo Andres Sanchez que faço notório de reproduzir por aqui:

Estádio do Corinthians será financiado pelo BNDES

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, já afirmou várias vezes que o estádio do clube não será construído com dinheiro público. No entanto, um comunicado no site oficial da própria equipe confirma que a Odebrecht, empreiteira responsável pela obra, fará um empréstimo junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), uma empresa pública federal, para financiar o empreendimento.

O contrato entre o Corinthians e a Odebrecht será assinado nesta terça-feira, véspera do aniversário de 100 anos do clube, com um valor de referência de R$ 335 milhões. No comunicado postado no site oficial, a negociação é explicada de maneira detalhada.

De acordo com a nota, para manter fundos durante os quase três anos da construção do estádio, o Corinthians precisaria de um empréstimo com um longo prazo de pagamento. Como os clubes de futebol não têm credibilidade suficiente para conseguir linhas de financiamento do BNDES, a diretoria procurou uma empresa privada para contrair o empréstimo da instituição e encontrou a Odebrecht.

“Depois de várias consultas a grupos privados, a solução despontou quando a Organização Odebrecht – uma das maiores construtoras do Brasil – aceitou nosso apelo para superar simultaneamente os dois desafios: construir nosso estádio a preço justo e oferecer ao BNDES o peso da sua solidez econômico-financeira, tendo como lastro os direitos sobre a denominação do nosso estádio”, diz a nota.

Pelo acordo, o Corinthians cedeu à Odebrecht os naming rights do estádio por R$ 335 milhões. Ou seja, a empreiteira pode vender a uma empresa o direito de batizar a arena. Se a receita superar os R$ 335 milhões, o excedente fica com o clube. Por outro lado, caso o valor não seja alcançado, a agremiação deve ressarcir a construtora.

O estádio do Corinthians terá capacidade para receber 48 mil torcedores, 16 mil em cadeiras cobertas. Além de 225 camarotes, serão construídas 2,1 mil vagas de estacionamento. O projeto conceitual existente será transformado no projeto executivo da obra antes de buscar o empréstimo.

“Este projeto executivo será submetido ao BNDES, em busca do financiamento desta obra, dentro dos parâmetros já existentes no Banco para projetos semelhantes, sem vantagens ou privilégios. A garantia deste financiamento será responsabilidade da Organização Odebrecht”, continua a nota oficial.

Fundado no dia 1º de setembro de 1910, o Corinthians comemora o 100º aniversário nesta quarta e ainda sonha com a conquista da Libertadores. O cobiçado título também é citado no projeto do novo estádio:

“O Dr. Anibal Coutinho (arquiteto) concebeu e detalhou este projeto, aliando funcionalidade e elegância, cumprindo todas as exigências dos manuais da Fifa para se enquadrar como estádio padrão da Copa do Mundo e apto a receber uma final de Copa Libertadores”.

O Corinthians espera iniciar as obras ainda em 2010 e finalizar os trabalhos no primeiro semestre de 2013.

O estádio foi anunciado oficialmente na última segunda como palco da Copa do Mundo de 2014.

Para receber a abertura, o clube precisa de mais R$ 170 milhões, valor necessário para aumentar a capacidade de 48 mil para os 65 mil lugares exigidos pela Fifa para o primeiro jogo.

“A adequação desse estádio, para o recente anúncio de que o mesmo servirá para os jogos da Copa de 2014 e para sua abertura será objeto de novas avaliações entre o Corinthians e a Odebrecht, sempre visando chegar ao melhor resultado”, informa o comunicado.

O estudo de demanda realizado pelo Corinthians atesta que o estádio tem condições de se pagar em menos de três anos, já que a arrecadação total projetada é superior a R$ 100 milhões por ano, afirma a nota oficial, assinada pelo presidente Andrés Sanchez.

nota oficial

Anseio maior da coletividade Corinthians, a tão desejada casa própria está prestes a ser construída. Chega assim ao seu final feliz o resultado de quase três anos de dedicação desta Administração e de mais dezenas de anos das anteriores, em um trabalho profissional de buscar a melhor solução.

Será assinado hoje um pré-contrato com a Organização Odebrecht para a construção de nosso estádio, em Itaquera, com um valor de referência de R$ 335 milhões, com a capacidade para receber 48 mil pessoas. A adequação desse estádio, para o recente anúncio de que o mesmo servirá para os jogos da Copa de 2014 e para sua abertura, será objeto de novas avaliações entre o Corinthians e a Odebrecht, sempre visando chegar ao melhor resultado.

Realmente, até que a Prefeitura declarasse que não transferiria o estádio do Pacaembu para o setor privado, esta era a prioridade inconteste do Timão: localização privilegiada, abrigo de nossas tradições, casa da Fiel, assumirmos o Paulo Machado de Carvalho era uma implicação lógica e emocional.

Inviabilizada esta opção, a Diretoria colocou-se em busca da melhor alternativa. Mais de 10 localizações foram consideradas e descartadas, por varias razões: falta de transporte publico, congestionamento já existente na região, perspectiva de deterioração do entorno, custo desproporcional da terra, restrições ambientais etc.

Um estudo de demanda, conduzido no primeiro semestre deste ano, revelou uma conclusão nada intuitiva: a perda de arrecadação decorrente de se localizar nosso estádio em Itaquera, em vez do Pacaembu, seria de menos de 20 por cento. Ora, considerando a economia no custo da terra (temos uma concessão válida ainda por mais cerca de 80 anos, de mais de 200 mil metros de terreno), acessibilidade por transporte público já concretizada (estação do metrô na frente da área), melhoria planejada do acesso rodoviário (Anel Rodoviário em construção, complementado pela Avenida Jacu Pêssego), topografia propícia a uma construção mais barata e rápida, região prioritária para desenvolvimento ( segundo projeto da própria Cidade), nenhuma outra opção conseguiria suplantá-la econômica e financeiramente.

O estudo de demanda revelava, ademais, que o estádio teria condições de se pagar em menos de três anos, já que a arrecadação total projetada será superior a cem milhões de reais anuais, enquanto o custo total do estádio – dimensionado para até 50 mil espectadores – ficaria perto de trezentos milhões de reais.

Esta conclusão implicou em:

1. O dono de um projeto com esta taxa de retorno não deve procurar sócios, mas sim financiadores, pois ele tem condições de honrar um financiamento e ainda deixar polpuda margem de lucro para reforçar a equipe de futebol e outros projetos prioritários.

2. Ao contrário da maioria dos estádios em analise no Brasil que não teriam condições de se sustentar com a receita própria gerada – e, portanto, precisam de recursos públicos, alocados a fundo perdido, para se viabilizarem- o estádio do Corinthians terá uma rentabilidade única e invejável. Consequentemente, não reivindicamos, não precisamos, não queremos nem aceitaremos que recursos orçamentários públicos sejam consumidos pelo nosso projeto.

Constatada a viabilidade econômica do projeto – comprovação que o valor presente de receitas supera largamente o valor presente dos desembolsos – restava viabilizá-lo financeiramente. Vale dizer, o Corinthians teria que obter um empréstimo que lhe desse fundos durante os quase três anos da construção e que pudesse ser pago em prazo razoável, algo como 10 anos.

É sabido que as melhores linhas de financiamento para projetos de longo prazo encontram-se no BNDES . Empréstimos são concedidos ao setor privado, obedecendo às rígidas disposições do Banco Central e do Tribunal de Contas da União, que garantem a saúde financeira da Instituição. Obviamente, quando maior a robustez patrimonial do tomador do empréstimo, melhor a taxa de juros concedida.

Estas linhas de crédito, entretanto, não estão acessíveis a clubes de futebol, cujo passado de inadimplência e gestão temerária está muito recente na memória de todos. Cabia, então, ao Corinthians superar dois desafios para construir seu estádio:

1. Selecionar uma construtora de primeira linha que pudesse assumir conosco e com o detentor de linhas de financiamento o compromisso de entregar a obra em tempo e a custo pré-determinado, sem sacrifício de qualidade.

2. Encontrar uma grande corporação do setor privado que contraísse o empréstimo no BNDES como garantidor, sem cobrar, em troca, participação nos nossos cobiçados lucros futuros. Depois de várias consultas a grupos privados, a solução despontou quando a Organização Odebrecht – uma das maiores construtoras do Brasil – aceitou nosso apelo para superar simultaneamente os dois desafios: construir nosso estádio a preço justo e oferecer ao BNDES o peso da sua solidez econômico-financeira, tendo como lastro os direitos sobre a denominação do nosso estádio. A Odebrecht foi a responsável pela conclusão, em tempo recorde, do Estádio Olímpico João Havelange (Engenhão), possibilitando seu uso nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro.

A partir desta concepção, a solução do enigma desenvolveu-se como a prova de um teorema:

1. Um dos mais renomados escritório de arquitetura do País, certamente dos mais experientes em estádios de futebol, foi contratado pelo Corinthians para desenvolver o projeto conceitual do estádio. O Dr. Anibal Coutinho concebeu e detalhou este projeto, aliando funcionalidade e elegância, cumprindo todas as exigências dos manuais da FIFA para se enquadrar como estádio padrão da Copa do Mundo e apto a receber uma final de Taça Libertadores.

2. O escritório alemão Werner Sobek foi também contratado pelo Corinthians para desenvolver o projeto estrutural da cobertura e da fachada. Trata-se do mais avançado centro europeu de soluções arrojadas e econômicas, que aportam modernidade aos estádios do Século XXI.

3. Destes estudos, resultou a concepção física da nossa futura casa e uma primeira estimativa do custo da obra, que se situa entre R$ 320 e 350 milhões, aí incluídos os custos de pré-projeto, gestão e detalhamento.

4. O projeto apresenta as seguintes características:

a. Capacidade total para 48 mil espectadores, sendo 16 mil cadeiras cobertas

b. 225 camarotes

c. 2.100 vagas de estacionamento

Com base neste conjunto de informações, Corinthians e Odebrecht firmarão nesta data um protocolo, estabelecendo que:

– o projeto conceitual já existente será detalhado, transformando-se no Projeto Executivo da obra, depois de ser aprovado pelo Corinthians, antes do final deste ano;

– este Projeto Executivo será submetido ao BNDES, em busca do financiamento desta obra, dentre dos parâmetros já existentes no Banco para projetos semelhantes, sem vantagens ou privilégios. A garantia deste financiamento será responsabilidade da Organização Odebrecht.

– o Corinthians entrega à Odebrecht o direito de usar ou revender a denominação do estádio, reservando-se a escolha de para quem irá este direito, se revendido, e dispondo de até um ano para autorizar a operação de revenda.

– o valor do contrato de denominação do estádio é idêntico ao valor médio estimado para a obra: R$ 335 milhões.

– se a receita auferida pela revenda for maior do que R$ 335 milhões, o valor que exceder ao valor contratado será de propriedade do Corinthians; no caso reverso, o Corinthians cobrirá a diferença com suas receitas próprias, na mesma proporção do repagamento do financiamento concedido pelo BNDES.

– do lado do custo, o Corinthians terá a última palavra nas decisões, no esforço de mantê-lo tão baixo quanto possível, respeitado o padrão fixado no projeto. Para tanto, contratará uma gerenciadora, que acompanhará todos os passos da construção.

– para manter receitas e despesas do novo estádio separadas das já existentes, o Corinthias criará uma companhia exclusivamente para construir e operar o estádio, propriedade integral do Clube. Esta empresa garantirá a integridade dos pagamentos, sem que a Construtora tenha qualquer ingerência ou participação na gestão do estádio.

– o Corinthians antevê, com base nos contatos técnicos previamente estabelecidos com o BNDES, o enquadramento formal do projeto antes de 90 dias e, o início das obras, ainda neste ano. Todos os esforços serão mobilizados para que a inauguração ocorra antes do segundo semestre de 2013, já que o apoio unanime dos governos Federal, do Estado e do Município abreviará os tempos de análise e aprovação pelos órgãos competentes.

– todas as disposições do Protocolo estarão sujeitas à aprovação prévia do Conselho de Orientação e do Conselho Deliberativo, por parte do Corinthians; e do seu Conselho de Administração, por parte da Organização Odebrecht.

Os critérios técnicos impostos no ritual de desenvolvimento deste projeto fizeram com que naturalmente ele esteja sendo cogitado como o da abertura da Copa do Mundo de 2014. Apesar de ter sempre apoiado a solução Morumbi como a mais natural para este uso, o Corinthians se dispõe a ser instrumento da permanência em São Paulo da abertura da Copa, desde que para tanto seu estádio não tenha que receber doações de recursos governamentais nem ser onerado por investimentos ou despesas de manutenção decorrentes do ajuste de seu projeto aos padrões exigidos para a abertura de uma Copa.

Etapa final de um processo conduzido com paciência, sem concessões, obedecendo rigorosamente os ditames e exigências ecológicas, econômicas e financeiras, o Corinthians mais uma vez inova, ao manter sob seu controle todas as decisões e a gestão integral do patrimônio criado. Sem recorrer a favores políticos, nem ceder a pressões de grupos, o Corinthians comemorará seu Centenário abraçado pela sua Fiel, protegido por São Jorge e celebrando a concretização do seu sonho maior: a construção da casa própria.

República Popular do Corinthians, 31 de Agosto de 2010.

Andrés Navarro Sanches
Presidente

Pelo menos ja sabemos de quem cobrar,caso algo saia errado ou fora do programado.

“Ser Corinthiano é não se acomodar a uma vida confortável de vitórias. O sofrimento faz parte da sua constituição. Como nenhum outro torcedor, o corinthiano, mesmo que não saiba ou admita, valoriza a derrota incomparável, o “gosto humilde da tristeza” de que falava Bandeira, o “habito de sofrer” que tanto divertia Drummond.
Bando de Loucos, enfim.”
José Geraldo Couto

VAI CORINTHIANS!!

TRANSPORTE

A copa do mundo a que tudo indica será realizada na capital paulista e no estádio do CORINTHIANS e respectivamente na zona leste da cidade, local esse que todos sabem tem sim um transporte caótico e ineficiente para atender a quantidade de pessoas que moram nessa região (inclusive esse que vos escreve).

As vias de acesso para essa região são precárias devido a não dar suporte para a quantidade de moradores e os congestionamentos são constantes, e sem falar no metro que é uma piada: A linha vermelha, a linha problemática da cidade

O governo paulista se esquece que a zona leste não é somente composta por Itaquera e Guaianazes, nós temos vários bairros que sequer tem metro perto como Sapopemba, São Mateus, Jardim Planalto entre outros que se formos citar perderemos muito tempo aqui e a linha vermelha não oferece suporte para toda a população e os problemas são constantes.

E agora começaremos a ouvir que a zona leste não oferece condições nenhuma para a realização desse evento e coisa e tal, mas acontece que o problema REAL é que não precisamos ter uma copa do mundo para melhorar a vida da população, o transporte publico e a qualidade de todos, porque é preciso olhar para as regiões afastadas dos grandes centros e oferecer transporte de qualidade para todos e não só para alguns bairros específicos.

A quantidade de moradores na zona leste é absurda e não temos infelizmente transporte digno para todos e apesar de tudo ainda ouço criticas diante da possibilidade de um estádio por nesse local. Se perguntarmos a todos os moradores que ali residem, eles estão dando graças a Deus por esse evento, porque certamente o governo terá que acelerar o processo de modernização dos bairros para atender as exigências que o comitê da copa obriga em todos os países sede.

REPITO: não é necessário termos um evento como esse para olhar para os bairros carentes e afastados do centro, as famosas periferias para que o governo ofereça um padrão de vida digno a todos, isso é obrigação do estado, porque todos nós pagamos nossos impostos e infelizmente político por ali, só aparece no pleito eleitoral e depois some do mapa.

VAI CORINTHIANS!!!

DO TERRÃO PARA O MUNDO!

O CORINTHIANS após a construção do novo estádio para a FIEL torcida deixara de ter o famoso terrão que já nos renderam grandes craques do passado e desse presente.

Muito contestado por rivais invejosos, mas no fundo eles sabem que lá é um celeiro de talentos e a diretoria do CORINTHIANS tem a obrigação de manter essa tradição, no novo espaço destinado ao treinamento das categorias de base.

Vi um texto no blog olheiros e vou reproduzir alguns trechos importantes:

“Em marcantes 100 anos de vida, o Corinthians teve relação intensa com suas categorias de base. O chamado Terrão, espaço do Parque São Jorge onde, por décadas, treinaram os jogadores mais jovens do clube, ficou imortalizado no imaginário do corintiano como uma grande fonte de talentos. De Neco a Dentinho, o Timão sempre soube olhar para baixo em busca de reforços. Popularíssimo, o Corinthians também foi e segue sendo, por décadas, referência para garotos que desejam um lugar ao sol. Por isso e pela vocação em bem receber jovens no time profissional, o Timão sempre teve crias da base em seus grandes times em 100 anos de vida. No início, Neco. No Paulista de 54, Luizinho. No fim da fila, Wladimir. Na Democracia, Casagrande. No Brasileiro de 90, Ronaldo. No Mundial de Clubes em 2000, os laterais Índio e Kléber, além do volante Edu. No momento em que completa 100 anos de vida, o Corinthians parece ter deixado as categorias de base em segundo plano. Relegada na mão de gente anacrônica como Adaílton Ladeira e Zé Augusto, que há anos sobrevivem apenas de boas campanhas na Copa São Paulo, o clube não sabe o que é revelar um bom jogador feito em casa desde Dentinho, que surgiu inconstante na campanha do rebaixamento em 2007.Com um poder de captação ínfimo, as categorias de base do Corinthians estão anos-luz atrás de seus principais rivais. Nas três diferentes edições do Paulista, em 2010, o clube tem campanha inferior aos rivais da capital o que reforça a tese de que é necessária uma mudança drástica de conceito e de pessoal no departamento amador. Todos ainda parecem pensar como nos tempos do popular Terrão.”

A importância de mantermos esses celeiros de craques e de bons jogadores é eminente, porque isso reflete diretamente na tradição do clube de aproveitar jogadores oriundos das categorias de base e deve ser mantida.

A diretoria não pode deixar de preservar essa tradição e nem deixar que empresarios dominem as categorias loteando jogadores,como era no tempo do “Dualibladrão”.As categorias de base tem que serem vistas de forma seria e dirigidas por profissionais competentes,que possam desempenhar um otimo trabalho.

Só para citar alguns exemplos do Terrão CORINTHIANO:

Neco
07/03/1895
Ponta esquerda
Estourou em 1914
A vida do Corinthians e a de Neco se confundem. Em 1910, quando o clube fez seu primeiro jogo com o União Lapa, o ponta esquerda já estava no terceiro quadro com 15 anos. Jogou com a camisa corintiana entre 1913 e 1930, acumulando 296 jogos e 235 gols. Em 1929, ganhou busto no Parque São Jorge antes mesmo da aposentadoria.

Luizinho
07/03/1930
Meia direita
Estourou em 1951
Filho da Zona Leste de São Paulinho, Luizinho arrastava corintianos para chegar mais cedo ao estádio para acompanhá-lo nos torneios de aspirantes. Esteve ao lado de Cláudio, Baltazar, Roberto Belangero e Gilmar dos Santos Neves na épica equipe campeã paulista em 1954, ano do IV Centenário paulistano
. Irreverente e carismático, o Pequeno Polegar foi um dos mais amados pelos torcedores do Corinthians.

Rivellino
01/01/1946
Meia esquerda
Estourou em 1966
Maior símbolo das categorias de base do Corinthians em 100 anos de vida, Roberto Rivellino também arrastava torcedores para vê-lo em ação pelo time de aspirantes. Campeão paulista com essa equipe em 1964, foi levado aos profissionais no ano seguinte e não saiu até 1974, quando perdeu o Estadual para o Palmeiras e foi crucificado. O Reizinho do Parque, curiosamente, foi reprovado em peneiras por São Paulo e Palmeiras com o apelido de Maloca.

Wladimir
29/08/1954
Lateral esquerdo
Estourou em 1973
Dono do maior número de partidas a serviço do Corinthians, Wladimir, 805 jogos, virou titular do clube em 1972 e ganhou status de ídolo na temporada seguinte. Símbolo de identificação, amor à camisa e muita dedicação, só fez 7 partidas pela seleção brasileira, mas nada que tirasse seu brilho. De tão longevo, atravessou a geração do fim do jejum em 77 e foi um dos pilares da Democracia Corintiana ao lado de Casagrande, outra grande cria das categorias de base que só não entra aqui por falta de espaço.

Ronaldo Giovanelli
20/11/1967
Goleiro
Estourou em 1988
A vida do paulistano Ronaldo Giovanelli daria um filme, especialmente sua estreia. Símbolo de um garoto prodígio, ele saiu do banco de reservas para defender um pênalti de Darío Pereyra, nas semifinais do Paulista de 1988, contra o São Paulo. Dono de enorme personalidade e temperamento quase indomável, ele foi símbolo do clube durante toda a década seguinte e talvez o último realmente ídolo formado na base.

Talentos e bons jogadores não faltam e prata da casa sempre é bem vinda para ajudar o TODO PODEROSO.

VAI CORINTHIANS!!!